quarta-feira, 9 de abril de 2014

São Paulo – Moraes, o Rei do Filet (desde 1914)


Filet Alho e Óleo, meia porção

Quantos restaurantes você conhece que podem se orgulhar de dizer que existem há pelo menos 100 anos?

A história de um dos estabelecimentos mais tradicionais da cidade começou em 1914, quando os irmãos Salvador e Manuel Pereira Vidal abriram o “Restaurante Esplanadinha” (assim chamado por situar-se ao lado do antigo Hotel Esplanada), na Rua Conselheiro Crispiniano. Com estilo de botequim, rapidamente tornou-se ponto de referência na noite paulistana, frequentado por boêmios que saiam do Avenida’s Dancing (onde se dançava pagando uma tarifa por tempo) e políticos, poetas, atores e cantores que frequentavam os recitais do Teatro Municipal. Bons tempos.

Em 1929, Salvador tornou-se sócio do “Bar, Café e Confeitaria Moraes” no número 175 da Praça Júlio Mesquita, pertinho da sede do jornal Folha de S.Paulo, e o restaurante mudou-se para o local, onde permanece até hoje. O Moraes testemunhou as mudanças na região central de SP ao longo das décadas, que gradualmente deixou de ser uma área chique da elite paulistana para ser conhecida apenas como uma região degradada e abandonada pelo poder público.


Salão (Alameda Santos)

Na década de 1960 o restaurante mudou o nome para ‘Restaurante Moraes - O Rei do Filé’. Na época do “Plano Cruzado” chegou a ser fechado, pois não conseguia atender a clientela em razão do tabelamento de preços e a falta de carne, reaberto apenas quando o mercado voltou a normalidade. Atualmente pertence a empresários sem relação com a família dos fundadores, e além da matriz no Centro possuem uma filial na região da Paulista, na Alameda Santos.

Entre as histórias que marcam o lugar, dizem que Adoniran Barbosa, um dos grandes amantes da boemia paulistana, escolheu as mesas do Moraes para compor seu "Trem das Onze", enquanto saboreava um belo filet e tomava um chopp.


Croquete de Mignon com Alho Granulado

Entrar no Moraes significa viajar no tempo, com azulejos e ventiladores de ferro (esqueça ar-condicionado) nas paredes, mesas com toalhas brancas e garçons vestidos com terno branco e gravata borboleta. Tem gente que acha a decoração ultrapassada, mas a grande maioria (eu, inclusive) acha bem charmoso, uma lembrança de uma São Paulo que, infelizmente, não volta mais.

O cardápio do Rei do Filet oferece 16 tipos de filé mignon, em cortes de 490 (serve 2 pessoas) e 240 gramas (1 pessoa). Por ser um lugar tradicional, famoso em toda a cidade e frequentado por gerações de famílias que comem no Moraes há anos, tornou-se um lugar turístico, o que pode ser percebido no preços bastante elevados – um filet mignon de 490 gramas custa entre R$ 86,10 (simples) e R$ 119,20 (com palmito), já a porção de 240 gramas varia entre R$ 53,70 e R$ 86,80, preços que incluem até dois acompanhamentos.


Alho e Óleo com fritas

Na hora do almoço a filial da Alameda Santos tem um cardápio executivo com cortes de 130 gramas e duas guarnições por cerca de R$ 35-40.

Para começar a refeição, dispense sem cerimônias o couvert sem graça (R$ 7,80 por pessoa) e peça algumas porções do Croquete de Mignon com Alho Granulado (R$ 3,15, duas unidades), uma das coisas mais espetaculares que você comerá NA VIDA. Crocante por fora e macio por dentro, abra-o ao meio, salpique o alho frito por cima e regue com azeite ou umas gotinhas de pimenta Tabasco.

O carro-chefe da casa é a versão com Alho e Óleo (R$ 98,20 e R$ 65,80, respectivamente), acompanhado de fritas, brócolis ou salada de agrão. Se você não é muito fã de alho, recomendo o Filet com Catupiry (R$ 99,50 e R$ 67,10), onde a carne vem mergulhada em 2-3 centímetros do queijo, À Parmegiana (R$ 96,10 e R$ 63,70) e A Cavalo (R$ 91,40 e R$ 59), com um “zóião” por cima da carne.


A Cavalo com fritas e brócolis

A peça alta, suculenta e incrivelmente macia (para provar, o garçom se dará ao luxo de cortá-la na sua frente, à moda antiga, usando apenas duas colheres) só recebe sal e pimenta depois de pronta, servida com uma casquinha por fora e levemente mal passada por dentro (se você não gosta de carne mal passada, avise ao garçom, eles não perguntam sua preferência e às vezes “ao ponto” significa “boi mugindo no prato”). As lascas douradas, crocantes e sequinhas de alho frito são colocadas sem misérias sobre a carne. Na boca, você entenderá porque uma combinação tão simples faz tanto sucesso.

Além dos acompanhamentos inclusos no preço, a lista de guarnições tem opções como arroz, polenta e farofa (preços entre R$ 5,30 e R$ 33,10), além de saladas simples e bem servidas – são cinco opções, só tomate, só cebola, só alface, só agrião ou só palmito, com preços entre R$ 5,90 e R$ 21,50. A “Salada Completa” (palmito, ervilha, agrião, cebola, alface e tomate) é gigantesca, mas R$ 61,20 me parece caro demais.


Alho e Óleo com brócolis

Para beber, nada de carta de vinhos selecionados e cervejas especiais, o negócio aqui é pedir uma Original gelada (R$ 9,50) ou um chopp Brahma (R$ 7), para quem prefere vinho apenas o Concha y Toro Cabernet Sauvignon (R$ 40) vale o investimento. Entre os sucos, apenas laranja e limão (R$ 5,50 cada) são naturais, os demais são polpa.

Importante dizer que o Moraes aceita cartões de crédito e débito, mas os 10% do serviço precisam ser pagos em dinheiro (ou cheque) diretamente ao garçom que atendeu sua mesa. Sim, eu concordo que é uma baita sacanagem dos donos, uma mesquinharia sem tamanho, mas tenho certeza que você concorda que o garçom não deve ser prejudicado. Já que os donos não ajudam, façamos a nossa parte, leve algum dinheiro na carteira,

Okay, a comida é cara, mas ela é realmente boa? Ainda merece o título de “Rei do Filet”? Na opinião deste blog, o Moraes já viveu dias melhores, acredito que existem restaurantes com filets de qualidade superior e preços similares (como o menu degustação do NB Steak, com 11 cortes ultra-premium por R$ 88/pessoa), mas nada disso diminui sua importância para a gastronomia paulistana.

Alguém certa vez disse que “quem foi rei nunca perde a majestade”, o Moraes pode não ser mais unanimidade, mas ainda tem seu brilho. Imperdível.

Matriz: Praça Júlio Mesquita, 175 – Centro
Telefone: +55 (11) 3221 8066
Horário de funcionamento: Diariamente das 11hs às 22hs

Filial: Alameda Santos, 1105 – Cerqueira César
Telefone: +55 (11) 3289 3347
Horário de funcionamento: Domingo à terça das 11hs à meia-noite, quarta e quinta das 11hs à 1 da manhã, sexta e sábado das 11hs às 2 da manhã.

Internet: http://www.reidofilet.com.br

1 comentários:

Cristine Tellier disse...

Gosto bastante de lá, apesar de existirem outras opções, como vc comentou.

Sobre os cortes, servir uma ou duas pessoas depende mto do tamanho da fome ;-)
Eu, sempre q meu cartão de crédito permite, opto pelo de 490g, mal passado, lógico.

E, invariavelmente, todas as vezes sem exceção ouço as mesmas duas perguntas do garçom:
- O grande é grande mesmo - mostrando a dimensão com as mãos. - É esse que a senhorita deseja?
- Mal passado é bem mal passado mesmo, sangrando. É assim que a senhorita quer?

E sem hesitar, respondo "sim" às duas :-D

Postar um comentário

Pesquisar no Blog

Guias de Viagem


Álbuns de Fotos

Instagram


Anuncie no Viajante Comilão




Você gostou do blog? As dicas de viagens e reviews de restaurantes foram úteis para ajudá-lo(a) a planejar sua viagem?

O Viajante Comilão é um serviço 100% gratuito. Se você gostou do nosso serviço, ajude o blog a continuar seu trabalho: o link abaixo direciona para o site do PayPal, um serviço 100% seguro para que você possa fazer uma doação para o blog, usando seu cartão de crédito.

Contamos com sua contribuição. Obrigado!


Payments By PayPal